Clube da Menô

A minha vida só é possível incrementada!

Textos

Minha mãe (Vinícius de Moraes)

Veja O PPS em E-livros. Link:
http://www.recantodasletras.com.br/e-livros/1317896

Sempre li a poesia “minha mãe”, de Vinícius de Moraes, acreditando que ele a tivesse escrito sob influência de um dilema “real”. Até descobrir o ano em que foi realizada, eu acreditava que estava relacionada à sua nova condição de vice-cônsul (1946), quando teve que abdicar de sua emergente carreira de escritor e também músico. Ou, então, que ele teria escrito tal desabafo quando foi exonerado do cargo diplomático em 1969, pelo AI-5, após 24 anos de serviços prestados, quando o então Presidente Costa e Silva, insatisfeito com seu comportamento irreverente e contestador, uma vez que ele se destacava demais internacionalmente, decretou: “Ponha esse vagabundo para trabalhar”. A figura de um político poeta e músico não caía bem aos olhos da ditadura.

Nada disso. O poeta criou esta poesia, tão simples e tão cheia de amarguras, ainda na adolescência. Foi publicada em seu primeiro livro “O caminho para a distância”, em 1933, aos 19 anos, quando se formou em direito.

Ao ter contato com cada frase dita, eu fiquei imaginando o que levaria um jovem, ainda inexperiente, a escrever tais palavras, tão sentidas. Pelo que li, ele se inspirou nas mudanças que todo adolescente passa ao se ver adulto e com responsabilidades, acrescidas ao fato de ter tido uma educação religiosa que conflitava com sua visão pessoal de um mundo no qual ainda iria mergulhar intensamente.

Seja como for, um jovem, por mais que tenha tido uma formação cultural privilegiada, jamais poderia dizer com tanto sentimento coisas que somente são ditas por quem já viveu muito.

Visionário? Gênio? Não... Só poeta.

Leila Marinho Lage
http://www.clubedadonameno.com

Minha mãe
Vinícius de Moraes

Minha mãe, minha mãe, eu tenho medo
Tenho medo da vida, minha mãe.
Canta a doce cantiga que cantavas
Quando eu corria doido ao teu regaço
Com medo dos fantasmas do telhado.
Nina o meu sono cheio de inquietude
Batendo de levinho no meu braço
Que estou com muito medo, minha mãe.
Repousa a luz amiga dos teus olhos
Nos meus olhos sem luz e sem repouso
Dize à dor que me espera eternamente
Para ir embora. Expulsa a angústia imensa
Do meu ser que não quer e que não pode
Dá-me um beijo na fronte dolorida
Que ela arde de febre, minha mãe.

Aninha-me em teu colo como outrora
Dize-me bem baixo assim: — Filho, não temas
Dorme em sossego, que tua mãe não dorme.
Dorme. Os que de há muito te esperavam
Cansados já se foram para longe.
Perto de ti está tua mãezinha
Teu irmão. que o estudo adormeceu
Tuas irmãs pisando de levinho
Para não despertar o sono teu.
Dorme, meu filho, dorme no meu peito
Sonha a felicidade. Velo eu

Minha mãe, minha mãe, eu tenho medo
Me apavora a renúncia. Dize que eu fique
Afugenta este espaço que me prende
Afugenta o infinito que me chama
Que eu estou com muito medo, minha mãe.



Leila Marinho Lage
Enviado por Leila Marinho Lage em 04/12/2008
Alterado em 25/08/2010
Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras