Clube da Menô

A minha vida só é possível incrementada!

Textos

PSICANÁLISE À MODA DONA MENÔ

Dona Menô me consultando:

Médico tem problemas, sabiam? Talvez tenhamos problemas mais do que possam imaginar porque vivemos realidades diferentes e mistas, sempre lidando com os dramas dos outros e tentando diminuir ou esconder os nossos.

Não fazemos isso porque somos bonzinhos. Fazemos isto porque precisamos sobreviver à profissão, que nos traz muitos dramas. Por outro lado, quando nos vemos como simples seres humanos, sem poderes na vida e na morte, sentimos que somos frágeis como os demais. E aqui começa a minha consulta com a “Dona Menô”. A primeira vez que ela tomou o meu lugar na mesa do consultório e resolveu me dar um corretivo:

-“Leila, você está parecendo uma criança! Não to te entendendo! Esqueceu teu passado, é?!”.

-“Menô, to muito triste... Eu me sinto injustiçada e revoltada!”.

-“Otária... Você está igualzinha a mais que a metade dos brasileiros, e eles estão tomando cerveja a esta hora, mesmo alagados nesta chuva que cai lá fora.

Posso puxar um baseado?...”.

Fiquei assustada. Menô queria dar "um tapa" em meu consultório?! Não! Ela explicou:

- "Maluca eu quero mascar chiclete de canela e sei que você odeia este cheiro. É chiclete à base de canela, portanto, baseado...".

-“Pode, Menô... Do jeito que to chorando nem sinto cheiro de nada...”.

Ela me empurrou para a mesa ginecológica. Acionou o pedal e me colocou de pernas abertas na perneira:

-“Você ta precisada de relaxar! Isso é bom pra tua coluna! Fica aí que nemuma perereca carente e conversa comigo!”.

-“Caraca! Que posição ridícula pra conversar!”, disse eu.

-“Mas é exatamente a que você nos coloca quando vai examinar! Agora você vai pagar na mesma moeda!”.

E a esta hora ela estava mexendo em alguma coisa no meu novo laptop - talvez lendo meus e-mails pessoais... Resolvi me desabafar, uma vez que me sentia como um recém-nascido enfiado num cueiro:

-“Menô, eu to desistindo do seu site porque não vejo motivação. Eu acho que quem me escreve é sempre fake; que não estão me elogiando, e, sim, me sacaneando...”.

-“Ta doida, sua doida?! Pode até haver meia dúzia de frustrados em seu site, que se fazem passar por leitores, e outra meia dúzia que ta louca pra te ver a sete palmos da terra, mas olha o que você construiu ao longo desses anos! Olha o que você fez nascer na vida de muitos! Pensa que é um bunda-suja qualquer que consegue isso, é?!”.

-“Ele me fez mal, Menô...”

-“Ele quem, caramba?...”

-“Aquele cara...”.

-“Quem? Teu ex marido de séculos atrás?”.

-“Que isso, bicho! Nem lembro que o tal existe!”.

-“Então quem?”.

-“Aquele que vinha aqui... Aquele que me fez pensar que o mundo poderia ser melhor...”.

-“Você ainda pensa naquele idiota?! Não vê que o idiota é idiota??? Você é muito idiota mesmo...”.

-“Meus amigos... Eu perdi amigos, sabia?...”.

-“Caceta! Amigo mesmo não se perde por causa de um retardado mental que só vê o umbigo com hérnia dele!”.

-“Como sabe disto?...”.

-“Leila, você é muito transparente. Teu mal é a transparência. Toda vez que jogo verde, colho maduro. É por isso que essa gente te ofende! Deixe de mostrar seu rabo e enfie a língua no...”.

Aquilo era uma ofensa! Menô tava atacada e me ofendendo! Ela não podia fazer aquilo com uma pessoa tão legalzinha como eu. Afinal, eu tinha sido tão dedicada, tão amável, tão... tão...

Ela, então, resolveu mudar de tática:

-“Você passeou muito nos últimos anos?...".

-“Sim”.

-“Aproveitou bastante, né?...Mas viu o que teu dito parceiro fez com outras e outros, né?...”.

-“Percebi...”.

-“Viu bem, direitinho, o que ele fez, né?... Viu como ele se comportou contigo; viu como se comportou com os outros, e viu como se comportou quando você se revoltou, certo?...”.

-“Vi, vi, vi!!!”.

-“Quer um chicletinho... de canela?”.

-“Tira esta droga do meu nariz! Isto parece tortura da Yakuza!”.

-“Doctor, quanto ganhou com tudo isso?”.

-“Eu perdi em dinheiro, em paz e em tempo...”.

-“Ok, Ok...Tá vendo a chuva lá fora? Você consegue ver nesta posição nojenta?...”.

-“To tentando, mas meu pescoço tem artrose...”.

-“Vou te dizer o tempo lá fora: ta chovendo horrores. Você nem pode imaginar quantas pessoas estão desabrigadas e precisando de ajuda. Você não vai salvá-las, mas está aqui chorando por absolutamente nada enquanto o mundo que você criou – e este você pode ajudar – precisa de você. Ele é real, mesmo virtual; mesmo que no meio estejam infiltradas as piores personalidades do mundo.

Entenda que o mundo real é do mesmo jeito. Entenda que a gente vive ao lado de gente muito ruim, mas no meio delas estão almas boas, pessoas de bom coração!

Você teve uma experiência ruim. Apenas isso. Talvez até nem consiga superar as safadezas que você constatou, mas decerto irá aproveitar ainda muito nesta vida, porque eu sou parte de você e não vou te deixar sozinha.”.

Gente, eu tive dois sonhos no último mês. Um foi com uns punks, todo vestidos de preto, daquele jeito que a gente vê em filmes. Eles me diziam que eu tinha o diabo no corpo. Quando eu percebi que eles se revoltavam comigo, no sonho eu abri os braços e gritei: “Já que sou assim tão ruim, quero que todos se explodam agorinha mesmo!”.

Todos se assustaram e se recolheram. Eu me senti a própria demoníaca, até que Dona Menô em pessoa, coisa que eu inventei, me apareceu também em sonho. Ela tomou conta do meu espaço e me colocou no basal, apesar de usar sua tática irreverente de abordagem. Eu me senti embalada mesmo assim, como no colo de minha mãe...

Nada mais sou do que alguém que precisa de colo. Muitos colos eu tenho. Muitos colos eu dou. Em muitos colos eu me perdi – porque eles perdidos estão, porque perdidos são...

O Clube da Dona Menô foi construído através de momentos muito importantes de minha vida. Através dele eu acho que posso contribuir com a minha capacidade de ensinar, educar e acarinhar as pessoas, as que amo e as que querem entrar neste mundinho sem frescura ou falsidade.

Dona Menô, agradeço o sonho, ta?... Não são todos que podem tê-lo.
Leila Marinho Lage
Enviado por Leila Marinho Lage em 06/04/2010
Alterado em 07/04/2010
Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras